segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Amo cada pedacinho seu, melhor beijo, melhor mordida, melhor cheirinho.
Quero apertar até explodir, morder até tirar pedaço, mas cuido porque ao mesmo tempo que quero te esmagar em mim, quero também cuidar e dar carinho de leve.
Amo ver as nossas coisinhas juntas e quando falamos do futuro sempre pensando no outro, no que podemos viver.
Queria poder passar o dia todo grudadinha em você.
Nunca amei tanto, nunca fui tão amada, nunca foi tão simples...
Obrigada por tudo, todos os seus pedacinhos que são meus, por todos meus pedacinhos que você pegou pra cuidar também.
Te amo.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

A gente não bebe e tem preguiça de socializar.
A gente gosta de ficar em casa, ver filme, jogar joguinhos, sair pra comer, ficar deitado na cama se olhando por muito tempo.
A gente não aguenta um dia longe, por isso ficamos juntos todos os dias.
A gente se separa quando saio pra trabalhar e um segundo depois que me deixa no metro manda mensagem dizendo que sente saudade.
A gente nunca dormiu um dia sem conversar e entender o outro quando alguma coisa nos fez se desentender um pouco. Um pouco, nunca muito.
A gente sabe conversar, falar e ouvir o outro.
A gente nunca brigou por coisas que têm a ver com nosso relacionamento.
A gente se dá muito bem com a família um do outro.
A gente faz muitos planos juntos.
A gente não tem medo do que sente nem do futuro que queremos junto.
A gente cuida um do outro.
A gente é carente e chorão.
A gente é muito igual nas chatices.
A gente nunca conheceu alguém como o outro.
A gente se surpreende a cada dia com o quão forte é o que sentimos, quando nos abraçamos antes de dormir.
A gente se esperou uma vida toda...
A gente mudou a vida um do outro.

terça-feira, 15 de novembro de 2016

Durmo e acordo do seu lado todos os dias. TodosOsDias. Trocando as casas, os edredons, as toalhas. Tem um espaço no seu guarda roupa pra mim...
Estou sempre cheia de mordidas e beijinhos e abraços. Você me cerca de carinho. É tão bom!

Mudei todos os seus horários, baguncei tudo sem querer. Você nem ligou.

Eu tenho muita coisa boa pra dizer, mas eu só vou agradecer.

Obrigada.

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Não ando conseguindo escrever. Fui escrever uma cartinha, não deu também.

Me sinto completamente tranquila. É uma calmaria gritante. Um silêncio barulhento dentro de mim. Não estou acostumada.
Preciso meditar mais, não tenho me lembrado de fazer isso.

Estou apaixonada. Não, é mais que isso, mas não expus ainda. Não é nada desesperador, nem cheio de medos e inseguranças, nem preciso me esforçar demais para encaixar no outro. Eu sou só eu e tudo dá sempre certo. Não tem nada que me preocupe, nem palavras que preciso medir, não tem problema ter saudade, 30 segundos depois do carro ir embora, na verdade, antes mesmo de eu dizer que sinto, recebo a mensagem sua, dizendo.
Fico feliz por me envolver assim, me cobrir de atenção, se fazer tão presente, me dar tanto valor, desejar tanto um futuro do meu lado... Tantos tantos. Intenso.


Eu não consigo olhar pra nada do que já vivi pra comparar, e olha que eu vivi muitas coisas... Aceitei tão pouco a vida toda sem saber.
Ah, se eu soubesse que isso aqui existia!

Continuo não conseguindo falar sobre pra ninguém, só minha mãe, mas com você, não, não preciso falar nada, a gente se olha e a gente já sabe.

Muito rápido, mas fazer o quê?

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Longe

Distante.
Estou me sentindo saindo da realidade, como já fiz tantas outras vezes a vida toda.
Mal sei onde começa realidade e termina meus devaneios.
Me sinto em alto mar flutuando olhando pro céu, corpo suspenso, seguindo os movimentos da água dançando. Faz calor, a água é fria, o vento é fraco, leve, eu sou uma coisa só com tudo isso. Longe disso as coisas se destroem lentamente, um furacão, uma tempestade, tudo fora de lugar, caos... Eu sinto paz.
Algumas coisas se acabam e enquanto isso eu volto pra dentro de mim. Dentro, cada instante de simplicidade na minha existência é sentido hipersensibilizadamente (se existe essa palavra), devagar, o silêncio é estrondoso, as mínimas coisas são sentidas, são grandes, importam.
Eu sou imensa.
Me segura, é só pegar na minha mão. Deixa eu ficar aqui dentro de mim só mais um pouquinho, depois eu volto.


"Tenta me reconhecer no temporal
Me espera
Tenta não se acostumar eu volto já
Me espera
Mesmo quando me descuido
Me desloco
Me deslumbro
Perco o foco
Perco o chão
E perco o ar
Me reconheço em teu olhar
Que é o fio pra me guiar de volta
De volta"

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Olha Pra Mim

"Ama o que te treme as mãos"
"Minha'lma sabe que viver é se entregar"

Passei o dia em silêncio, sorria cada vez que recebia uma mensagem. Está tão longe. Estou tão sozinha. Sou tão sozinha. Sempre fui.
Tão difícil deixar alguém chegar perto. Não conto a minha vida pra ninguém, não falo sobre as minhas opiniões, não conto os meus sonhos, não entro em detalhes nas coisas que acontecem na minha vida. Eu escrevo. Eu preciso escrever. Eu conto tudo pra você.
Feriado veio para eu me enfiar no meu mundinho que ninguém mais pode acessar. Esse onde a minha teimosia e decisões são compreendidas sem precisar de explicações. Mas você entende. Você parece muito igual. Tudo em paz, em calmaria.
Na maior parte do tempo estou apaixonada. Me repreendo um pouco às vezes, mais pela velocidade das coisas que por medo.
Todo mundo quer paz, todo mundo quer ser feliz, todo mundo quer ser aceito.
Sentei de joelhos na cama e fiquei minutos olhando pra fora da janela. As folhas das árvores indo de um lado para o outro, o vento leve no meu corpo, a música tocando baixinho. Meu quarto cheirando à limpeza. Tudo no lugar. Menos você. Longe demais.
Pensei na vida toda. Via as pessoas que passaram por mim bem de longe. Só lembrava das sensações, nas coisas que eu sentia, vivia, ignorando a existência dos outros, focando em como ficava meu mundinho no meio dos furacões que enfrentava. Muitas vezes saía tudo do lugar, coisas quebravam, outras se perdiam e nunca mais pude encontrar. Eu reconstruía tudo outra vez, com o que sobrava. E com o tempo trazia mais coisas pralí. E depois um maremoto... Sempre me reconstruindo.
Eu gosto daqui. De tudo. Os móveis marcados, as janelas reutilizadas, as portas novas... Mudei bastante coisa, de uma hora pra outra. Foi preciso para seguir em frente.
Vou passar o dia todo aqui dentro.
Eu gosto muito desse silêncio. Eu gosto muito de ficar sozinha e me sentir em paz. Eu gosto muito de mim...


Mas eu também gosto muito de você. Te deixo a chave e quando voltar pode entrar.